Tudo começou com a união entre músicos e pessoas ligadas à Cultura. O sonho de fundar uma Corporação Musical e formar uma banda de retreta na cidade, como acontecia em todo o Brasil, tornou-se realidade em São Roque, em 1o. de Novembro de 1896. Por um século, a Banda Liberdade espalhou música pelas ruas, teatros, praças, coretos, casas, circos e espetáculos de rua, presente em todos os acontecimentos sociais, religiosos, cívicos, culturais e tradicionais.

O Acervo do Centro de Memória da Corporação Musical Liberdade é parte do patrimônio material e imaterial da cidade de São Roque. Documentos, partituras, instrumentos musicais, uniformes, mobiliário e outros objetos são o testemunho de uma história cultural.

Documentos

A trajetória da Banda Liberdade na luta por sustentabilidade

Se hoje a busca por apoios e patrocínios para manter projetos culturais envolve cursos e técnicas mais sofisticadas, a necessidade de preocupação com sua manutenção não era diferente no passado.

Os custos de permanecer com uma sede aberta, adquirir e monitorar o funcionamento dos instrumentos, zelar pela aparência da Banda com seus uniformes, garantir sua presença no cotidiano da cidade, eram incumbências do presidente, principalmente, e de sua equipe, amparados no Conselho Fiscal. A CML foi declarada entidade de interesse público tanto em nível estadual quanto municipal. Mas, dependiam, sim, das verbas.

A CML era mantida com a contribuição mensal dos associados, por vezes verbas da prefeitura e receita obtida com as apresentações.

Não era raro receber verba parlamentar como suporte às suas atividades, como mostra o documento, que data de 13 de Setembro de 1963 e está endereçado ao "Jarbas" (talvez o depois prefeito de São Roque, Jarbas de Moraes).


Posts mais recentes em nosso blog

Leia o que há de novo essa semana
 

Eduardo Sasso, compositor de origem italiana é o provável autor da partitura da música tema das Cavalhadas, encontrada no acervo da CML. Com instruções para a execução, ela foi interpretada pela Banda Liberdade, na tradicional encenação, durante as Festas de Agosto de 1933. Por Sílvia Mello

Quem nunca parou um momento para ver a banda passar? Quem não a reconhece pela enormidade de uma tuba, pelo retumbar de um instrumento de percussão, pelo som dos sopros que invade o peito e toca coração? Por Sílvia Mello

INCENTIVO À CULTURA


Projeto beneficiado pela Lei de Incentivo à Cultura nº 4.084, da Prefeitura da Estância Turística de São Roque, através do Edital 01/2015 do Fundo Municipal de Cultura.